domingo, 9 de agosto de 2015

FELIZ DIAS DOS PAIS !

Pai, palavra que vem do latim(patre) que aparece em qualquer dicionário de língua portuguesa com o significado “aquele que tem um ou mais filhos” , “gerador; genitor; progenitor”, “autor”, “protector, benfeitor”…, e que agora ecoa tremulamente no meu espírito.
O ver pela primeira vez um filho, para quem optou conscientemente em seu um genitor, é sem dúvida uma experiência única, profunda, criadora/possibilitadora de um conjunto de sentimentos e emoções que ofusca quase toda a racionalidade do ser humano. Aqui as palavras encontram grandes limitações e ficam muito aquém do que foi vivido naquele momento..., como certamente qualquer pai já o sentiu.
E o que é ser pai? Esta é talvez a grande interrogação de todos aqueles que passaram por esta experiência e que ainda hoje procuram uma resposta.
Não sei a resposta a esta questão… O que sei é que ser pai será certamente o maior desafio de qualquer ser humano que escolhe estar nesta posição; todos dizem que não há receitas, livros de instruções, manuais que revelem a "arte" de ser pai… mas que a grande aventura não pode ser frutífera sem muito amor, alguma intuição, bom senso e uma boa dose de criatividade (como em tudo na vida, mas agora com um sentido muito especial).
 
Há, com certeza, uma diferença entre o pensar ter um bebé e o cuidar dele, isto é, educá-lo .
Tudo isto e outros importantes acontecimentos que ocorrerão num futuro próximo mostram que ao se tornar pai, esse estatuto não nos confere automaticamente capacidades e conhecimentos necessários que supostamente nesta sociedade ultra-desenvolvida já deveríamos ter.
A responsabilidade de educar uma criança, sem qualquer experiência anterior, é gigantesca e leva-nos por vezes ao medo/receio de fracassar. Contudo, a alegria, a felicidade e o encanto que o dia de amanhã será risonho para estes novos dois seres é superior a toda a incerteza do presente que preenche as mentes de quem é pai.
 
São imensas as inquietações que surgem já e que nos acompanharão durante os próximos dias, meses e mesmo anos, até os nossos filhos se tornarem autónomos…Não há uma Bíblia, respostas e soluções práticas e definitivas para os desafios que se avizinham… O importante é seguramente apostar na sua educação - apesar de nos encontrarmos no Brasil, um país deveras estranho e confuso...  - no seu crescimento e desenvolvimento saudáveis, na realização de relações positivas e espontâneas sem nunca perder de vista as características únicas de cada um.


video

domingo, 26 de julho de 2015

O mundo trágico para Schopenhauer




Na concepção do mundo como Vontade, o homem não encontra saída para o sofrimento, o que o impele “o sujeito do querer, conseqüentemente, a está sempre atado à roda de Íxion que não cessa de girar. Quando queremos algo e satisfazemos tal desejo, de imediato sentimos prazer, do contrário se este desejo não for realizado, surge a dor. Por mais que o indivíduo tente furtar-se desse círculo vicioso,Quando finalmente tudo foi transposto e alcançado, nada pode ser ganho senão a libertação de algum tipo de sofrimento, ou de algum tipo de desejo, portanto encontramo-nos na mesma situação anterior ao aparecimento deles.

A vontade saciada em um momento apetece logo depois não produzindo satisfação completa. O momento em que o desejo e seu objeto se encontram só pode ser o começo de uma nova volição, já que também o objeto, no fundo, é o mesmo Ser da vontade que tem aspirações. A existência galgando este caminho é, em essência, necessidade e dor; em toda caso, afirma nosso filósofo, a saciação passageira leva ao tédio, e outras necessidades sempre surgirão. Essa alternância entre o querer interminável e a satisfação passageira revela o quão a felicidade é ilusória.

Suficiente feliz é quem ainda tem algo a desejar, pelo qual se empenha, pois assim o jogo da passagem contínua entre o desejo e a satisfação e entre esta e um novo desejo – cujo transcurso, quando rápido, se chama felicidade, e quando lento se chama sofrimento – é mantido, evitando-se aquela lassidão que se mostra como tédio terrível, paralisante, apatia cinza sem objeto definido, languor mortífero: – Em conformidade com tudo isso, onde o conhecimento a ilumina, a Vontade sempre sabe o quer aqui e agora, mas nunca o que quer em geral. Todo ato isolado tem um fim: o querer completo não.

Na alternância entre os desejos saciados e o surgimento incessante de outros, a Vontade move-se em uma cadeia de aspirações infinitas que conduzem ao sofrimento, ou senão quando esse desejo for satisfeito logo surge o tédio, a apatia, dor muito pior do que o necessitar. A vida, portanto, oscila como um pêndulo, para aqui e para acolá, entre a dor
e o tédio, os quais em realidade são seus componentes básicos.


A insaciabilidade da Vontade, considerando-a, una subtrai toda harmonia. É na vontade de viver que ela violentamente enterra os dentes na sua própria carne suprindo sua necessidade deforma momentânea, mas ela nunca encontra nada que não seja ela mesma, pois, nada há fora dela. Por isto, é na espécie humana, por possuir consciência, o ápice deste auto consumo. Os homens consideram que toda a natureza existe para eles, e entre eles se agiganta a guerra de todos contra todos. Pela ação da Vontade, Schopenhauer atenta que a felicidade não passa de uma ilusão, o sofrimento cru é o único ‘bem’ que está ao nosso alcance. Em si, a Vontade não busca um telos preciso, e na última das hipóteses almeja a insaciabilidade. Velejamos nessa linha tênue entre momentos felizes e momentos de dor. Aparentemente cada ato da Vontade que se mostra no mundo fenomênico tem finalidade e objetivo, todos os homens pensam que sabem o que querem, entretanto o quererindividual aparenta compreender-se por si mesmo, que não ultrapassam os limites do tempo, espaço e causalidade..

O menos infeliz é aquele que consegue suportar as dores do mundo. Ora, mas o que seria uma vida feliz? O máximo que o homem consegue é uma ínfima recompensa diante as dificuldades enfrentadas.

Naquilo que concerne à vida do indivíduo, cada história de vida é uma história de sofrimento, Cada decurso de vida, via de regra, uma série contínua de pequenos e grandes acidentes, ocultando tanto quanto possível pela pessoa, porque sabe que os outros raramente sentirão simpatia ou compaixão, mas quase sempre contentamento pela representação dos suplícios dos quis exatamente agora se isentam.

A sensação de vitória aplaca o espírito; o que anteriormente era uma ausência, agora fora preenchido. Mas por quanto tempo? Por uma fração de segundos, minutos, ou melhor, até que surja outra necessidade. Não há alegria, pois cada vitória significa uma perda de energia, correspondente a quantidade de força subjugada. Depois, entramos em desespero: ‘ainda falta algo’, ‘preciso possuir aquilo’, ‘não atingi a meta imaginada’ e assim por diante.

É tão impossível a vontade deixar de querer de novo através de uma satisfação, quanto é o tempo findar ou começar. Inexiste para ela um preenchimento duradouro, para todo o sempre satisfatório e que coroaria os seus esforços.

Schopenhauer projeta na tríade vontade-carência-sofrimento o cerne de seu pessimismo. O raciocínio que condena a existência humana é desoladamente simples: O mundo é vontade; vontade representa carência e carência é sofrimento.

Amiúde, a felicidade não é algo positivo, ela passa a integrar o lado negativo da vida, o que há de positivo é a dor. Schopenhauer explica este sentido negativo da felicidade como a necessidade de satisfação de um desejo; pois o desejo, isto é a carência, é condição prévia de todo prazer. Referente à positividade da dor, ele argumenta que esta é sentida de imediato, diferentemente da carência, que só é lembrada pela recordação do sofrimento. A sensação descrita, ao se alcançar bens e vantagens, é apenas de preenchimento de um espaço negativo de privação. Somente após os perdermos é que nos tornamos sensíveis ao seu valor, pois a carência, a privação, o sofrimento são de fato o positivo.

Vemos o elemento da vontade muito presente no sexo feminino que não pensa duas vezes em magoar e humilhar um homem para ter seu prazer. 


Gostaria de indicar um anime que trata do desejo e sofrimento causado pelas mulheres



Anime





True Blue é um anime de conteúdo erótico com 3 episódios, o terceiro se chama True Blue Gaiden. O anime é do gênero netorare (corno). Os dois primeiros são sobre Kanzaki Aoi, uma popular garota da escola e seu vizinho Kurusu Akito. Ela tem uma relação com ele, mas no fim o troca pelo professor de educação física, shudo. No fim do Segundo episódio ele é humilhado vendo os dois fazendo sexo e ela zuado o tamanho do pênis do Akito.A cena final do segundo episódio é forte demais. O cara parecendo um banana vendo a menina que ele gosta na cara dele sendo fodida por outro, um cafa sarado e ela zuando o tamanho do pênis dele quando ele tentou fazer sexo com ela. O terceiro o Akito se envolve com a Kaya, mas o professor de educação física se envolve com ela e ele toma uma outra, mas no fim ele cria bolas e mata o professor enquanto ele faz sexo com a menina. Um anime que é soco no estômago, mostrando o lado obscuro feminino. O anime só não foi pior pq pelo menos no final o protagonista teve sua vingança ao criar bolas e matar o cara que o humilhava pegando as vagabas dele. 


                                     Veja o protagonista beta no fim do segundo episódio.


quinta-feira, 16 de julho de 2015

CELEBRANDO O DIA NACIONAL DO HOMEM - 3 HERÓIS NACIONAIS .

Mesmo com um delay de um dia , não podemos deixar passar batido o dia nacional do homem ou dia do homem brasileiro , por aqui vai uma história de 3 de heróis que merecem ser sempre lembrados . HONRE-OS !

video

terça-feira, 7 de julho de 2015

Como as feministas destruíram o senso de responsabilidade das mulheres ( Por THE TRUTH )

Estou há muito tempo querendo escrever esse post. Hoje vou explicar como o feminismo destruiu o senso de responsabilidade das mulheres. Será um post bem didático, porém um pouco longo! Achei impossível dividir o post em duas partes!
A educação antigamente era um pacote completo, que ensinava coisas para as mulheres que iam além da educação escolar e das noções de civilidade. As mulheres aprendiam valores como solidariedade, valorização da família e a valorização dos
homens de bom caráter! O feminismo se popularizou nos anos 60 do século passado e destruiu a educação tradicional com o pretexto de que tal educação era machista!
O feminismo na prática não colocou nenhuma referência saudável no lugar da educação tradicional. Em outras palavras, o feminismo foi um apenas um agente anti educacional. Qualquer tentativa de educar a mulher foi chamada de machismo e afirmação do patriarcado pelas feministas.
Em prol das políticas de não-submissão, as feministas se colocaram contra qualquer tipo de ensinamento moral tradicional na educação, pois elas viam todo tipo de ensinamento moral tradicional como a afirmação da submissão da mulher ao homem!
Mulheres educadas segundo valores feministas ficaram sem referências seguras em muitos aspectos da vida. O feminismo sob o pretexto de libertar a mulher do machismo, destruiu inúmeras referências boas e positivas para a mulher. Agora, elas
não sabem o que fazer com a liberdade delas. Como conseqüência disso, as mulheres passaram a seguir os instintos delas, como se eles fossem referências seguras e saudáveis!
O feminismo na prática substituiu a educação tradicional pela valorização dos instintos femininos. Essa valorização não é clara, mas fica implícita no conceito de liberdade das feministas. A liberdade feminina é a afirmação do uso irrestrito dos instintos
femininos contra qualquer tipo de regulação! Qualquer tipo de regulação dos instintos femininos é vista como machismo.
As mulheres que seguem os próprios instintos são incapazes de assumir a responsabilidade pelos erros que cometem! Então, na prática, os homens acabam sendo culpados pelos erros que as mulheres cometem no mau uso da liberdade delas.
As feministas querem criar restrições jurídicas para punir os homens pelos erros que as mulheres cometem no mau uso da liberdade delas. Em outras palavras, as mulheres que seguem os próprios instintos erram e os culpados disso serão sempre os homens!
As feministas querem criar um modelo de sociedade, na qual a liberdade feminina é irrestrita e sem qualquer tipo de regulação. Ou seja, elas querem construir uma sociedade na qual as mulheres possuem enormes poderes e estão no topo das proteções jurídicas.
Sei que isso parece ser muito exagerado, mas já está acontecendo. Mas como? Isso está acontecendo pela seguinte razão: as feministas negaram o conceito de erro feminino. Ou seja, numa sociedade feminista, a mulher não erra. E tudo o que elas fazem é negar a idéia de que a mulher erra e escolhe mal.
Se a mulher não erra, logo ela não é responsável. Ou seja, o feminismo criou uma retórica, que é a negação total da responsabilidade feminina!
Qualquer erro feminino elas dão um jeito de justificar! Como elas justificam os erros femininos? Elas justificam do seguinte modo: as mulheres não erram, mas são vítimas.
O feminismo instituiu o vitimismo feminino eterno. Isso significa que as mulheres jamais serão culpadas de qualquer coisa, uma vez que elas sempre serão vítimas de um machismo que não acaba nunca! O vitimismo feminista não acaba por nada! Elas podem criar um milhão de leis a favor da mulher que mesmo assim, se uma mulher errar, ela terá o status de vítima conservado!
Afinal da contas, a mulher erra por que é vítima de quem? É isso mesmo. A mulher erra porque é vítima do machismo! Ou seja, no país mais feminista do mundo, a mulher erra porque é vítima do machismo. A retórica delas é a seguinte: aquilo que dá
certo na vida da mulher é mérito da mulher. Mas aquilo que dá errado é culpa do machismo.
O machismo se tornou o álibi metafísico de qualquer erro feminino. Ou seja, as mulheres não erram, elas não escolhem mal! A mulher só erra por indução! O patriarcado fez uma lavagem cerebral nelas e elas se tornaram incapazes de fazer boas escolhas! É isso que as feministas pensam!
A retórica da feminista não é situacional, ou contextual, ela é metafísica mesmo. O que isso quer dizer? Isso quer dizer que todas as mulheres são vítimas do machismo e ponto final. Não tem discussão! O feminismo matou o senso de responsabilidade das mulheres, porque agora, elas possuem permissão ilimitada pra errar. Se qualquer erro feminino é culpa do machismo, por que as mulheres vão se preocupar em acertar? Elas já estão justificadas de antemão!!
Estamos vivendo hoje, uma crise de responsabilidade feminina sem precedentes na história. Por que as mulheres estão com tanta raiva dos homens? Elas estão com raiva dos homens, porque elas são incapazes de assumir a responsabilidade pelos erros delas! Então, elas passam a acusar o machismo de todas as mazelas da existência delas, como se os homens fossem obrigados a dar a elas, a vida utópica que elas sonham.  

"É muito maneiro! Se você usar sua imaginação , você pode culpar os homens por todas as coisas . "


O feminismo não acabou somente com a responsabilidade feminina, mas deixou as mulheres com um absurdo complexo de superioridade. Então as mulheres, além de não assumirem a responsabilidade pelas escolhas erradas que fazem, elas querem
que os homens dêem a garantia de felicidade que elas buscam. Ou seja, se elas não são felizes, elas culpam os homens por isso, como se os homens fossem obrigados a agir conforme as expectativas delas. Então, as mulheres querem impor à realidade a visão utópica e exagerada de felicidade delas. Se elas não são felizes, de quem é a culpa? É sempre a mesma resposta! São os machistas maus e cruéis que as boicotaram. É assim que elas pensam!
Pense agora numa criança. Imagine uma criança que manda nos pais e exige dos pais todo tipo de regalia, conforto e diversão possível.Ao mesmo tempo, essa criança impõe aos pais a responsabilidade total pelos excessos que ela comete! Ou seja, se ela cometer qualquer erro, ou se machucar, a culpa será sempre dos pais! Essa criança é exatamente a mulher que as feministas estão criando! As mulheres de hoje querem liberdade irrestrita para errar Elas querem proteções jurídicas para todos os erros que elas cometem. Assim, a mulher não precisa escolher bem um parceiro sexual. Se ela escolher mal, ela será salva pela lei. 

As leis que as feministas querem criar é uma espécie de seguro para as loucuras femininas. As mulheres se sentirão ainda mais livres pra errar. O feminismo apóia a irresponsabilidade feminina, pois ao invés delas educarem as mulheres, elas reforçam
a liberdade irresponsável das mulheres. Se uma adolescente engravida, as feministas não culpam o sexo precoce por isso,
porque isso é censurar a mulher! O que elas fazem? Elas apóiam o aborto! Ou seja, o sexo na adolescência não é um erro e não deve ser censurado. As meninas estão livres para transar a vontade na adolescência, pois agora elas possuem a garantia de
que serão salvas por leis jurídicas!
Como isso educa? As feministas chamam isso de educação! Isso não é educação, isso é afirmar a irresponsabilidade feminina como um valor bom! Existe uma distância absurda entre o que as feministas chamam de educação e a verdadeira educação,
que é educação para a responsabilidade.
Não existe senso de responsabilidade nas mulheres de hoje. Outro exemplo prático disso são as mulheres promíscuas! Estas acham que não precisam escolher bem um homem. O feminismo disse para elas que elas são iguais aos homens. Ou seja, elas
acham que serão promíscuas e serão tão valorizadas quanto os promíscuos que elas valorizam. O feminismo nivelou indiretamente a moralidade pelo poder, porque os instintos femininos "valorizam" cegamente o poder do homem! O feminismo deixou os instintos femininos como as únicas referências das escolhas femininas nos relacionamentos! Qualquer referência além dos instintos femininos é vista como machista para elas!
Se os poderosos estão acima do bem e do mal, o feminismo nivelou a moralidade pela anarquia moral. Pois quem tem poder não se submete a moral alguma. Então as mulheres praticam a anarquia moral, com a ilusão de que serão tão valorizadas quanto os homens que elas valorizam, pelos critérios mais paradoxais possíveis!
Isso não é educação! Que espécie de mulher resolvida e independente é essa, que age da forma mais inconseqüente possível e é incapaz de assumir as conseqüências das coisas que faz? O feminismo iludiu as mulheres com ideais abstratos que não existem! A mulher nunca será um alfa, nunca. O que acontece na prática é que todas as mulheres promíscuas que se dizem resolvidas são uma farsa.
Elas sempre mentem e omitem o passado. Se elas não são capazes de assumir o que fazem, então por que fazem?
Ou seja, não há senso de responsabilidade nelas. Elas acham que possuem liberdade irrestrita pra mentir e trapacear nos relacionamentos. Isso não é exagero. Está acontecendo hoje!! A promíscua mente sobre o passado pra prender os homens nos
relacionamentos, porque isso é conveniente para ela. As mulheres sabem que os homens naturalmente não querem mulheres promíscuas pra relacionamento sério, mas como elas são adeptas do relativismo moral, elas acham que podem impor aos homens a visão abstrata de mundo delas! Isso significa que elas nunca serão responsáveis nos relacionamentos, pois são pessoas que não assumem o que fazem.
Pessoas assim são capazes de qualquer coisa e você não poderá confiar nelas! A mulher que escolhe mal os homens, nunca assumirá a responsabilidade pelas escolhas que ela faz. Ela sempre se colocará como uma vítima dos homens. Portanto, as mulheres hoje em dia, agem como incapazes no amor, pois elas possuem a ilusão megalomaníaca de que a sociedade e principalmente os homens são obrigados a satisfazer as fantasias delas de auto-afirmação! A promíscua que teve final infeliz jamais assumirá que errou e passará o resto da vida culpando os homens.
A mídia diz que as mulheres são sempre vítimas e que os homens são sempre os culpados pelo sofrimento feminino. Acabou a responsabilidade feminina no mundo. Em qual meio de comunicação se coloca a mulher como responsável de qualquer coisa?Tudo é culpa dos pais machistas, do namorado machista, do filho machista,do marido machista. A mulher é isenta da responsabilidade o tempo inteiro.

A CULPA É SUA !!!!

O homem hoje em dia é obrigado a ter responsabilidade por ele e pela mulher. Num relacionamento é a mesma coisa. Se a mulher trai, fica deprimida, a culpa é sempre do homem. O feminismo, junto com a mídia matou o senso de responsabilidade das mulheres!
As feministas usaram mais uma teoria pra omitir a responsabilidade feminina. Essa teoria é a Síndrome de Estocolmo. Elas usam essa síndrome pra dizer que toda mulher que se envolve com homens problemáticos, drogados e violentos possui a Síndrome de Estocolmo. Como a mulher adquire essa síndrome?
A síndrome de Estocolmo é isso: a mulher sofre vários traumas, decorrentes da criação machista e se torna incapaz de escolher bem os homens com quem se envolve!
A conclusão disso é simples para as feministas: a mulher que escolhe ser prostituta não erra, é vítima do machismo. A mulher que ama bandido não erra, pois ela é vítima do machismo. A mulher que ama homens problemáticos e violentos, não erra, ela é vítima do machismo! Ou seja, com a Síndrome de Estocolmo, as feministas "cientifizaram" o vitimismo feminino e a negação da responsabilidade feminina. Agora elas possuem uma explicação “científica” pra dizer que a mulher não erra e que todas as escolhas paradoxais que as mulheres fazem é culpa do machismo de alguma forma! Para as feministas, todas as mulheres que fazem escolhas “masoquistas” possuem a síndrome de Estocolmo e são vítimas do machismo!
Os homens do futuro sofrerão cada vez mais por causa das mulheres irresponsáveis, pois eles terão que assumir a responsabilidade pelos atos deles e pelos atos das
mulheres, pois as mesmas terão os erros justificados automaticamente simplesmente pelo fato de serem mulheres! Não somente isso, leis jurídicas serão criadas pra instituir o vitimismo feminino e culpabilizar os homens!
Se qualquer tentativa de educar a mulher é vista como machismo e tentativa de cerceamento da liberdade da mulher, logo é impossível educar a mulher hoje em dia! Os instintos femininos estão livres! Mas quem assumirá a responsabilidade dos erros femininos, quando as mulheres seguirem (e já seguem) os instintos “errantes” delas?
Com certeza não serão as feministas! A resposta vocês já sabem!

FONTE : https://www.facebook.com/blogmetendoareal/posts/710867592370102:0#